Pesquisa Personalizada


Receba as atualizações de Astronomia Hoje por e-mail:

Ouça Temas da Bíblia Agora:

Estude a Palavra de Deus Agora!

Estude a Palavra de Deus Agora!
Cursos e Estudos Bíblicos Gratuítos

terça-feira, 25 de setembro de 2007

Sombrero Galaxy (M104)


Visões do espaço - 'Sombrero Galaxy' (M104): um centro branco brilhante é envolto por voltas de poeira grossa nesta galáxia espiralada. A galáxia está distante 28 milhões anos-luz da Terra.

Bactéria se torna mais 'malvada' no espaço

Salmonella que foi levada em ônibus espacial ficou três vezes mais eficiente em matar. Mudanças gravitacionais podem ter induzido alterações genéticas no microrganismo.
A astronauta Heide Stefanyshyn-Piper ativa o crescimento das bactérias no ônibus espacial Atlantis (Foto: Nasa/Divulgação )
Parece o roteiro de um filme de terror de baixo orçamento: micróbios vão para o espaço num foguete e voltam mais fortes e mortais do que nunca. O problema é que essa história aconteceu mesmo. O micróbio em questão é a bactéria Salmonella, famosa por causar intoxicação alimentar. A viagem foi feita a bordo do ônibus espacial Atlantis, em setembro do ano passado.

Os cientistas queriam ver como a viagem espacial afeta os microrganismos, e por isso decidiram mandar alguns junto com o Atlantis, cuidadosamente embalados. O resultado é que camundongos que ingeriram os patógenos espaciais corriam risco três vezes maior de ficar doentes e morriam mais rápido do que roedores os quais receberam os microrganismos que nunca deixaram a Terra.

"Onde quer que os seres humanos vão, os microrganismos vão junto -- não dá para esterilizar seres humanos. Onde quer que formos, para o fundo do mar ou em órbita da Terra, os micróbios vão nos seguir, e é importante entendermos que modificações eles vão sofrer", explica Cheryl Nickerson, professora-associada do Centro de Doenças Infecciosas e Vacinologia da Universidade do Estado do Arizona (Estados Unidos). Para Nickerson, a descoberta pode ajudar no combate a doenças infecciosas aqui mesmo na Terra.

Na pesquisa, que será publicada na revista científica americana "PNAS", Nickerson e seus colegas colocaram cepas idênticas de Salmonella em dois contêineres. Um deles viajou a bordo do ônibus espacial, enquanto o outro foi armazenado na Terra, sob condições de temperatura similares às do Atlantis. Depois do retorno da nave, os camundongos receberam doses orais dos dois tipos de Salmonella e foram acompanhados por veterinários.

Mudança assustadora
Depois de 25 dias, 40% dos bichos que receberam a Salmonella terráquea ainda estavam vivos, comparados com apenas 10% dos roedores aos quais foi ministrada a bactéria "astronauta". Pior: a quantidade de microrganismos "espaciais" necessária para matar metade dos camundongos foi só um terço da quantidade de Salmonella normal que teve o mesmo efeito sobre os animais. Nada menos que 167 genes dos micróbios sofreram mudanças em seu funcionamento.

E a grande questão é o porquê das alterações. Há indícios de que as células bacterianas estão respondendo a mudanças geradas pelo ambiente de microgravidade (a popular "gravidade zero", termo que na verdade é inexato). Essas alterações mexem indiretamente com a força de interação entre o meio líquido e a bactéria que se encontra no interior dele. Essa interação ficaria mais fraca sob microgravidade -- reproduzindo condições parecidas com as do trato gastrointestinal humano, diz Nickerson."Esses micróbios conseguem perceber onde estão por meio de mudanças em seu ambiente. E, no minuto em que se dão conta dessas mudanças ambientais, mudam sua maquinaria genética para poder sobreviver", afirma a pesquisadora.

» Russos querem Índia em estação espacial
» Sonda desfaz sonho de água líquida em Marte
» Contaminação por meteorito seria inédita
» Astronauta é recebida como heroína na Índia
» Brasil e China lançam 3º satélite conjunto
» Meteorito causa problemas de saúde no Peru
» Brasil e China lançam satélite nesta quarta
» Japão lança primeiro satélite lunar

segunda-feira, 24 de setembro de 2007

Orbiter da NASA Apresenta Sinais Acerca de Água e Clima em Marte

PASADENA, Calif., 20 de setembro /PRNewswire-USNewswire/ - O Mars Reconnaissance Orbiter (MRO) da NASA está examinando diversos traços em Marte que mostram o papel da água em diferentes épocas na história marciana. Os traços examinados com os avançados instrumentos do orbitador incluem material depositado em dois sulcos nos últimos oito anos, camadas de gelo polar formadas no passado geológico recente e sinais de água liberada por grandes impactos com Marte já mais velho. Ano passado, a descoberta de depósitos recentes em sulcos, em imagens antes e depois, obtidas desde 1999 por outro orbitador, o Mars Global Surveyor, levantou expectativas de que tenham sido detectadas correntes recentes de água em estado líquido em Marte. As observações do orbitador mais recente, que chegou a Marte no ano passado, sugerem que os depósitos possam ter ocorrido, ao contrário, por deslizamentos de materiais secos e soltos. Os pesquisadores informaram esta e outras descobertas do MRO em cinco documentos na edição de sexta-feira do periódico Science. FONTE NASA

quinta-feira, 13 de setembro de 2007

CATÁSTROFE SOLAR

Planeta sobrevive à catástrofe em seu sol:
Descoberta de cientistas, a primeira do tipo, pode ajudar a esclarecer o destino do Sistema Solar, e da Terra, daqui a bilhões de anos.


Fonte: Carlos Orsi - Jornal o Estado de São Paulo

Um planeta que orbitava sua estrela à mesma distância que separa a Terra do Sol, 150 milhões de quilômetros, sobreviveu a um processo catastrófico que também afetará o Sistema Solar dentro de bilhões de anos, de acordo com uma equipe internacional de cientistas. Essa descoberta, a primeira do tipo, pode ter implicações para o destino do nosso sistema planetário. “A estrela presumivelmente não era muito diferente do nosso sol, provavelmente com 80% ou 90% de sua massa, antes de entrar na fase de gigante vermelha”, diz o astrônomo italiano Roberto Silvotti, principal autor do artigo que descreve o sistema, publicado na revista científica Nature. Quando esgotam o hidrogênio que têm no núcleo, estrelas semelhantes ao Sol sofrem um processo de expansão, transformando-se em gigantes vermelhas. Ao crescer, elas podem engolir planetas próximos - no nosso Sistema Solar, seriam devorados Mercúrio e Vênus. A Terra, um pouco mais longe, ainda estaria numa zona de perigo. Além disso, processos gravitacionais podem fazer com que mesmo os mundos não engolidos de imediato entrem em uma espiral que acabaria por levá-los para o interior do astro. Surpreendentemente, o planeta V391 Pegasi b não só escapou desses dois destinos como acabou se afastando da estrela, a V391 Pegasi, para uma distância 70% maior que a original. Provavelmente, sugerem os autores do artigo, isso se deu por causa da perda de massa sofrida por V391 Pegasi logo após a expansão, o que teria enfraquecido sua gravidade: atualmente, a estrela é uma subanã quente B, que perdeu boa parte de seu material externo e, por isso, é extremamente quente, com uma temperatura, na superfície, de mais de 30 mil graus Celsius, ante cerca de 6 mil graus do Sol. “Ela está queimando hélio no núcleo e, nesse caso específico, já deve estar perto de exaurir o gás ou já ter acabado com ele. Vai se tornar uma anã branca”, explica Silvotti. Converter-se em anã branca também é o destino esperado do Sol. O sistema de V391 Pegasi tem cerca de 10 bilhões de anos. O Sistema Solar, 4,5 bilhões.Mas, se a estrela, antes de entrar em sua fase gigante vermelha, era parecida com o Sol, V391 Pegasi b é um planeta muito diferente da Terra, com massa estimada em mais de três vezes a de Júpiter, o maior planeta do Sistema Solar. “A Terra é um planeta muito diferente, principalmente porque tem uma massa muito menor”, diz o pesquisador. Portanto, reconhece, as implicações diretas da sobrevivência de V391 Pegasi b para o destino concreto da Terra não são tão grandes. “Depois da descoberta, sabemos que planetas com uma distância orbital semelhante à da Terra podem sobreviver à expansão em gigantes vermelhas de suas estrelas, mas isso não significa que a Terra, muito menor e mais vulnerável, irá sobreviver à expansão do Sol, prevista para dentro de cerca de 5 bilhões de anos.”Mas, diz Silvotti, a descoberta de um planeta que tenha sobrevivido à fase gigante vermelha de sua estrela ajuda a limitar as possibilidades teóricas para a evolução dos corpos no Sistema Solar. “Nossa descoberta vai produzir novas buscas e outros achados similares. Com um pouco de estatística e modelos detalhados, seremos capazes de dizer algo a respeito do destino da Terra”, acredita. No entanto, a sobrevivência da Terra não significa a sobrevivência da humanidade. Silvotti especula que qualquer forma de vida que pudesse existir em V391 Pegasi b teria sido “completamente destruída”.

terça-feira, 11 de setembro de 2007

ECLIPSE SOLAR

Brasileiros acompanham eclipse solar parcial
Fenômeno ocorre quando Lua se desloca entre o Sol e a Terra. Melhor lugar para observar fenômeno foi Região Sul.


Brasileiros de quase todo o país assistiram na manhã desta terça-feira (11/09/2007) ao eclipse parcial do sol. O fenômeno começou às 7h34.

O eclipse ocorre quando a Lua se desloca entre o Sol e a Terra, bloqueando a passagem dos raios solares e projetando uma sombra no planeta. Nesta terça, somente uma parte do Sol foi encoberta.

O melhor lugar para observar o eclipse foi na Região Sul. Segundo a previsão dos astrônomos, 42% do disco solar seria encoberto em Porto Alegre.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Pesquisa personalizada

Livro Gratuito em PDF - Baixe Agora!