Pesquisa Personalizada


Receba as atualizações de Astronomia Hoje por e-mail:

Ouça Temas da Bíblia Agora:

Estude a Palavra de Deus Agora!

Estude a Palavra de Deus Agora!
Cursos e Estudos Bíblicos Gratuítos

sábado, 30 de novembro de 2013

Cometa do século teria resistido à aproximação com o Sol, dizem cientistas


Inicialmente declarado morto, Ison voltou a ter brilho, segundo imagens telescópicas
O cometa Ison, ou alguma parte dele, teria sobrevivido ao encontro com o Sol, afirmaram os cientistas.
O pedaço de rocha gigante de gelo e areia foi inicialmente declarado destruído quando não conseguiu emergir por detrás da estrela com o brilho esperado pelos astrônomos.
Mas imagens recentes indicaram um brilho do que seria um pequeno fragmento do cometa.Tudo que poderia ser visto nas imagens dos telescópios era uma leve mancha – seu núcleo e sua cauda pareciam destruídos.
Astrônomos admitiram surpresa e satisfação, mas agora se mantêm cautelosos de que algo possa acontecer nas próximas horas ou dias.
Se o cometa (ou o que sobrou dele) pode continuar a brilhar, ou simplesmente sumir de vez.
"Nós temos acompanhado esse cometa por um ano e todo o caminho tem nos surpreendido e confundido", disse o astrofísico Karl Battams, que lidera o projeto Sungrazing Comets na agência espacial americana, a Nasa.
A Agência Espacial Europeia também havia sido uma das primeiras organizações a sentenciar a morte de Ison, mas reavaliou a situação. Uma pequena parte do núcleo pode estar intacto, dizem especialistas.

Dúvida

Ainda não se sabe, entretanto, qual parcela da massa de gelo de 2 quilômetros sobreviveu.
Segundo especialistas, Ison teria sido seriamente afetado ao passar a 1,2 milhão de quilômetros acima da superfície do Sol, uma distância razoavelmente pequena considerando as dimensões espaciais.
Durante esse percurso, sua camada de gelo teria vaporizado rapidamente sob temperaturas acima de 2 mil graus Celsius. A imensa gravidade da estrela também teria impactado o pedaço de rocha.
Segundo a especialista Karl Battams, "nós gostaríamos de ter alguns dias apenas para olhar as imagens que vêm da aeronave espacial (de observação, pertencente à Nasa), e que nos permitirá avaliar o brilho do cometa que estamos vendo agora, e como esse brilho muda".
"Isso talvez nos dê uma ideia da composição desse objeto e o que acontecerá com ele nos próximos dias ou semanas".
Independente do que acontecer adiante, os cometas devem voltar a ter importância no próximo ano.
Daqui a praticamente um ano, o Cometa Siding Spring vai passar a uma distância de menos de 100 mil quilômetros de Marte. E, em novembro de 2014, a missão Rosetta, da Agência Espacial Europeia, tentará inserir uma sonda no núcleo do cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko.[Fonte: BBC Brasil]

quinta-feira, 28 de novembro de 2013

Cometa Ison atinge ponto máximo de aproximação do Sol

O cometa Ison poderá brilhar tão intensamente quanto a Lua Cheia quando passar no ponto mais próximo ao Sol de sua trajetória
Foto: NASA, ESA, Hubble Heritage Team / Divulgação

Os astrônomos esperam ansiosos pelo acontecimento celeste do ano: nesta quinta-feira, às 16h40 (horário de Brasília), o cometa Ison atinge o periélio, o ponto de sua trajetória mais próximo do Sol, a apenas 1,2 milhão de quilômetros. Essa distância é 125 vezes menor do que a entre a Terra e o astro.
O cometa terá que resistir a uma temperatura de quase 3 mil graus centígrados. Embora ele se desloque a uma velocidade de mais de 1 milhão de quilômetros por hora, no espaço reina o vácuo, portanto não haverá nenhum vento para refrescá-lo.
Nas horas antes e depois dessa passagem próxima, o Ison reluzirá tão forte que, mesmo no azul do céu diurno, ele poderá ser visto bem ao lado do Sol. Seja como for, alguns satélites que monitoram as imediações do centro do sistema solar estão de olho no Ison.
Segundo uma antiga norma entre astrônomos, os novos cometas recebem o nome de seus descobridores. Assim, "Ison" é acrônimo de International Scientific Optical Network, a rede internacional de telescópios a partir de cuja estação em Kislovodsk, Rússia, ele foi avistado, em setembro de 2012.
Mensageiro da geladeira cósmica
O Ison tem um diâmetro de cinco quilômetros, sendo composto principalmente de gelo, gases congelados e poeira. Por isso, os astrônomos costumam apelidar os cometas de "bolas de neve suja". Eles são os resquícios do processo de nascimento do sistema solar, há mais de 4 bilhões de anos – ou seja, as migalhas que sobraram quando o Sol, a Terra e os outros planetas se formaram.

Muito além da órbita do planeta mais extremo, Netuno, incontáveis desses blocos de gelo vagam em torno do Sol. Nessas regiões, o Sol não passa de um ponto claro como a lua cheia, e a temperatura é inferior a 200 graus negativos. De vez em quando, um cometa se extravia, penetrando no sistema solar interno (anterior ao cinturão de asteroides).
O Ison vai passar próximo ao Sol pela primeira vez nesta semana, e os cientistas estão entusiasmados pela possibilidade de observar material totalmente não contaminado, da época da formação do sistema solar.
Comportamento imprevisível
O calor do Sol vai praticamente "fritar" o cometa, causando a evaporação de muito gelo, que, por sua vez, arrastará grande quantidade de poeira. Gás e poeira formam a cauda do cometa, que se estende por milhões de quilômetros no cosmos.

Em meados de novembro, o Ison ficou subitamente mais claro. Provavelmente alguns fragmentos do seu núcleo se soltaram, liberando, assim, mais gás e poeira. O cientista Hermann Böhnhardt, do Instituto Max Planck para Pesquisa do Sistema Solar, em Katlenburg, na Baixa Saxônia, observou detalhadamente o Ison com um telescópio do Observatório Wendelstein, da Universidade de Munique. Ele descobriu duas estruturas em forma de asas na parte gasosa do cometa.

"Essas estruturas aparecem, tipicamente, depois que fragmentos isolados se desprendem do núcleo", relata. Mas, para os astrônomos amadores temerosos que o Ison se desintegrasse antes do grande espetáculo, Böhnhardt tem uma notícia tranquilizadora: "Nossos cálculos indicam que apenas um pedaço se desprendeu ou, no máximo, uns poucos destroços." [Fonte: Yahoo]

quarta-feira, 27 de novembro de 2013

ISON: um cometa sem destino traçado


Fotografia do C/2012 S1, a 22 de Novembro de 2013, visto em Tenerife, nas Canárias
FRITZ HELMUT HEMMERICH

O céu não espera por nós, mesmo no nosso calmo sistema solar de meia-idade. Sem os olhos postos nas estrelas nocturnas, sem as fotografias diárias dos telescópios, o cometa C/2012 S1 poderia ter passado despercebido e desaparecer nos confins do nosso quintal cósmico, de onde é originário. Mas este pequeno agregado de gelo e poeiras foi descoberto a 21 de Setembro de 2012, pelos astrofísicos russos Vitali Nevski e Artyom Novichonok. Desde então, calculou-se a sua órbita, estimou-se o seu tamanho e especulou-se muito sobre o espectáculo que iria originar no céu. O cometa vai rasar o Sol, atingindo a sua aproximação máxima amanhã, mas pode desfazer-se em vários pedacinhos, diminuindo a probabilidade de ser observável a olho nu. É preciso esperar para ver.
“Muitos cometas têm uma órbita semelhante ao plano da eclíptica, o plano em que os planetas giram em redor do Sol”, explica ao PÚBLICO Rui Agostinho, director do Observatório Astronómico de Lisboa, e professor da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa. Estes cometas têm órbitas mais próximas, as suas viagens demoram em média 200 anos. Não é o caso do C/2012 S1. “Não está na família dos planetas jovianos. Está no grupo de cometas com períodos orbitais na ordem dos milhares de anos”, diz o astrónomo.

No caso de ISON, o nome informal que foi dado a este cometa por ter sido descoberto por uma equipa que pertencia à Rede Óptica Científica Internacional, com sede na Rússia (ISON, sigla em inglês), o seu período orbital terrestre é de quase 401 mil anos (400.903, para se ser mais exacto). “Quando ele voltar, se calhar a humanidade já nem existe”, repara Rui Agostinho.

O cometa pertence à nuvem de Oort, uma região na extremidade do sistema solar onde existem milhares de milhões de objectos congelados, a qualquer coisa como entre 50.000 e 100.000 unidades astronómicas (a unidade astronómica é a distância média entre o Sol e a Terra, que é cerca de 150 milhões de quilómetros).

A nuvem de Oort situa-se muito além da órbita de Neptuno ou da cintura de Kuiper, uma cintura de objectos transneptunianos onde se insere Plutão, e que está, por comparação, a apenas 50 unidades astronómicas. Mas os objectos que pertencem à nuvem de Oort ainda estão sob o poder gravítico do Sol, e por isso ainda pertencem ao nosso sistema solar. De vez em quando, um destes objectos salta da calma distante desta região e mergulha até ao centro do sistema solar. Com um pouco de sorte, os astrónomos, com a ajuda dos telescópios, encontram esse cometa. Foi o que aconteceu ao ISON. “É uma descoberta fortuita”, diz Rui Agostinho.

O núcleo de um cometa é uma amálgama de gelo e poeira, não muito consolidada, que pode ter formas estranhas como a de uma batata ou a de um amendoim. Normalmente, o núcleo não tem mais do que alguns quilómetros de diâmetro. As partículas desta poeira raramente atingem a proporção de grãos de areia, pois costumam ser tão pequenas como as partículas libertadas no fumo do tabaco. São feitas de silicatos, o material que resta da nébula original do sistema solar, que ficou aprisionado nestes pedaços de gelo. É, assim, idêntico ao material que ajudou a formar os planetas e as luas no começo da história do sistema solar e, por isso, um alvo interessante de estudo para os cientistas.

O núcleo do cometa ISON tem, estima-se, um diâmetro entre os 200 metros e os quatro quilómetros. Esta amplitude é inferida a partir da quantidade de material que está a libertar-se à volta do núcleo. Ao aproximar-se do Sol, o aumento da temperatura causa a sublimação do gelo, que passa directamente do estado sólido para o gasoso, criando uma nuvem em volta do núcleo chamada cabeleira. Esta cabeleira pode atingir 100.000 quilómetros de diâmetro, tornando possível a observação do cometa.

O fenómeno que produz a cauda é outro. “A cauda é a interacção da cabeleira com a luz solar, que empurra a poeira para longe”, explica Rui Agostinho. Os fotões, as partículas corpusculares que compõem a luz que atingem a Terra, empurram as partículas da cabeleira ao longo de milhões de quilómetros, produzindo a cauda que, ao contrário do que se possa pensar, não é um rasto deixado pelo cometa.

A sublimação contínua de gelo vai permitir a libertação de poeiras contidas no cometa. No caso do ISON, a sua trajectória é muito particular. Consiste numa órbita elíptica apertada, que se aproxima do centro do sistema solar por baixo do plano da eclíptica, depois aproxima-se do Sol e dá-lhe uma volta e regressa para os confins da nuvem de Oort. É quando está a regressar para a sua casa longínqua, alguns dias depois de ter “raspado” o Sol, que o cometa se torna visível à vista desarmada no hemisfério Norte. Mas a experiência de aproximação ao Sol pode correr mal.
 
Ou vai ou racha
Quando amanhã fizer a apertada curva ao Sol, atingindo o periélio, o cometa vai ficar a apenas 1,5 milhões de quilómetros da nossa estrela, o que é cerca de quatro vezes mais próximo do que está Mercúrio. E a força gravítica a que o cometa vai ser submetido durante a curva acelerada em redor do Sol pode ser de mais para este corpo. “O núcleo é composto por gelo que está sujo de poeira, não tem nenhuma cola que o segure”, explica Rui Agostinho. “Pode não aguentar e desagregar-se. A probabilidade disso acontecer é grande.”

No site da NASA que acompanha diariamente a situação do cometa, o postmais recente, de segunda-feira, alertava para uma diminuição acentuada da emissão de gases, substituída por um grande aumento da produção de pó. Nosite, defendia-se que isto podia ser um sinal de desintegração do cometa.


Rui Agostinho tem reservas. “Isto indica a tal estrutura muito amorfa. O núcleo do cometa não é uma estrutura homogénea de gelo e poeira.” Ou seja, pode haver uma região com mais poeira e menos gelo, originando estas leituras descritas no site. “Ninguém pode confirmar se o cometa se está a desintegrar, isso só pode ser observado por telescópio, quando forem vistos dois núcleos.”

Se o cometa se desintegrar, os resultados não serão muito famosos para o espectáculo que muitos desejavam. “A soma do brilho de cada pedacinho é menor do que o brilho do núcleo inteiro”, diz Rui Agostinho, explicando que, caso a desintegração aconteça, os minicometas que restarão e as suas respectivas caudas só poderão ser vistos ao telescópio.

Se tudo correr bem na visita do cometa ao Sol, há mais possibilidades de ser visível também em Portugal. Inicialmente, vistos a partir da Terra, o cometa e o Sol estarão demasiado próximos para se distinguirem. Mas de dia para dia, o ISON ficará cada vez mais distante do Sol, melhorando as observações.

O melhor período para ver o cometa será durante a primeira quinzena de Dezembro. Quem quiser fazê-lo terá de se levantar antes do nascer do sol e olhar para Leste, por cima do local onde o Sol irá aparecer. No início, estará muito perto do horizonte. Mas à medida que os dias passarem, o cometa surgirá cada vez mais alto no céu, ainda que com menos brilho, já que se afasta do calor do Sol. A 26 de Dezembro, passará mais perto da Terra, sem qualquer perigo de colisão.

Rui Agostinho não está muito crédulo em relação ao espectáculo que o cometa poderá proporcionar. “Para já, não estou muito entusiasmado. Com o telescópio, vê-se bem e os binóculos podem ajudar. O pior é se o cometa se transformar em fragmentos. Vamos ver.”

Resta assim esperar para ver o que o céu oferece, e tentar, numa das próximas madrugadas, apanhar ISON entre as estrelas. Depois, o cometa seguirá a sua viagem, para nunca mais ser visto pelos actuais habitantes da Terra. [Fonte: Público]

terça-feira, 26 de novembro de 2013

Nasa registra viagem de "cometa do século" em direção ao Sol


O Observatório de Relações Terrestres e Solares (Stereo, na sigla em inglês), que monitora o Ison, o "cometa do século", registrou a movimentação do corpo celeste em seu trajeto em direção ao Sol durante os dias 20 e 22 de novembro. Na imagem, além da Terra e do planeta Mercúrio, o cometa Encke também pode ser visto em movimento no centro do cenário.
O Sol está fora do campo de visão da câmera, mas sua presença é notada pelo intenso fluxo de vento solar movendo-se pelo espaço a partir da direita.[Fonte: Yahoo]




Observatório da Nasa divulga imagens do Sol

Confira a Matéria Completa

quinta-feira, 21 de novembro de 2013

Cientistas identificam 'mais antigo pedaço de Marte' na Terra



Meteorito de origem marciana teria mais de 4 bilhões de anos

Foto: Luc Labenne / Divulgação
Uma rocha descoberta no deserto do Saara parece ser o meteorito de Marte mais antigo já descoberto, segundo cientistas. Pesquisas anteriores já sugeriam que a rocha tinha cerca de 2 bilhões de anos, mas novos exames realizados recentemente indicam que a rocha tem, na verdade, mais de 4 bilhões de anos. O meteorito negro e brilhante, apelidado de "Beleza Negra", teria se formado ainda na infância do planeta. 
"Esta (rocha) nos conta sobre uma das épocas mais importantes da história de Marte", afirmou o autor da pesquisa, Munir Humayan, professor da Universidade Estadual da Flórida (EUA). A pesquisa foi publicada na revista especializada Nature.

Firmado em dezembro de 2010, o acordo de participação do Brasil no Observatório Europeu do Sul (European Southern Observatory, ESO) foi celebrado pelos cientistas brasileiros. Contudo, Quase três anos depois, no entanto, o projeto, que custará aproximadamente R$ 1,1 bilhão ao longo de 11 anos, ainda espera aprovação do Legislativo. Veja a seguir algumas das instalações do ESO que os brasileiros podem ter aceso Foto: Matheus Pessel / Terra
Brasil pode concretizar acordo bilionário com observatório astronômico
Foto: Matheus Pessel / Terra

Rochas marcianas
Existem cerca de cem meteoritos marcianos na Terra. A quase maioria dessas rochas é bem mais jovem, datadas entre 150 milhões e 600 milhões de anos.

Elas teriam caído na Terra depois de um asteroide ou cometa ter se chocado contra Marte e desprendido as rochas, que viajaram pelo espaço até acabarem no nosso planeta.
A "Beleza Negra" é formada por cinco fragmentos. Um deles, o NWA 7034, foi examinado no passado e sua idade foi calculada em 2 bilhões de anos.

 Foto: ESO/L. Calçada / Divulgação
Brasil tem papel-chave na construção do maior olho da humanidade
Foto: ESO/L. Calçada / Divulgação

Mas a pesquisa mais recente descobriu que outro pedaço, o NWA 7533, tem 4,4 bilhões de anos - o que sugere que o NWA 7034 também deva ter mais do que "apenas" 2 bilhões de anos.
A equipe afirmou que a rocha pode ter se formado quando Marte tinha apenas 100 milhões de anos de idade.
"É quase certo (que a rocha) veio das terras altas do sul, um terreno cheio de crateras que forma o hemisfério sul de Marte", disse Humayan.

Área 51 foi usada para o desenvolvimento do avião espião U-2, afirma documento Foto: Getty Images
Documento da CIA confirma existência da Área 51
Foto: Getty Images

O período em que as rochas se formaram pode ter sido uma era de turbulência em Marte, com erupções de vulcões em quase toda a superfície do planeta.
"A crosta de Marte deve ter mudado muito rapidamente com o passar do tempo. Houve um grande episódio vulcânico em toda a superfície, que então formou uma crosta e, depois disso, a atividade vulcânica teve uma queda dramática", prosseguiu Humayan.
"Quando isso aconteceu, devia haver água na forma gasosa, dióxido de carbono, nitrogênio e outros gases para produzir uma atmosfera primordial, além de um oceano primordial. É um período de tempo muito empolgante - se houve vida em Marte, a origem seria neste período em particular", acrescentou o cientista.

Humayan afirmou que sua equipe agora planeja nalisar a rocha para procurar sinais de algum tipo de vida marciana. Mas, segundo o professor, enquanto a rocha permaneceu no deserto do Saara, pode ter sido contaminada por organismos vivos da Terra.
Mistura
O professor Carl Agee, da Universidade do Novo México, foi o cientista que, na análise anterior, que concluiu que a rocha NWA 7034 tinha 2 bilhões de anos de idade. Ele descreveu a pesquisa mais recente como animadora.

Agee afirmou que a diferença entre as idades das rochas pode ter ocorrido pois o meteorito tem uma mistura de componentes, e a equipe dele agora também está encontrando partes da rocha que têm cerca de 4,4 bilhões de anos.
"Definitivamente há um componente antigo na rocha, mas acreditamos que pode haver uma mistura de eras", afirmou. O cientista explicou que o impacto de um cometa ou asteroide, uma erupção vulcânica ou algum outro evento que ocorreu há cerca de 1,5 bilhão de anos pode ter acrescentado materiais mais novos à crosta original.
"(A rocha) consiste de pelo menos seis tipos diferentes de rocha. Vemos diferentes rochas ígneas, tipos diferentes de rocha sedimentar, é um meteorito muito complexo. Este meteorito continua revelando seus segredos, estamos muito animados com isso."

quinta-feira, 7 de novembro de 2013

Bilhões de planetas do tamanho da Terra podem ser habitáveis

Bilhões de planetas do tamanho da Terra e em órbita de estrelas semelhantes ao Sol em nossa galáxia podem ser habitáveis, revelaram astrônomos nesta segunda-feira.
Uma em cada cinco estrelas parecidas ao Sol na Via Láctea, que tem 55 bilhões de estrelas, pode ter um planeta do tamanho da Terra em sua órbita, e se este não estiver muito longe ou muito perto do seu astro, há possibilidade de abrigar água líquida e vida.
O estudo se baseia em uma nova análise de três anos de descobertas do Observatório Espacial Kepler, da Nasa.
"Isto significa que, entre as milhares de estrelas que observamos no céu durante a noite, a mais próxima, similar ao Sol e com um planeta em sua órbita, está, provavelmente, a apenas 12 anos luz (cada ano luz equivale a 9,461 bilhões de quilômetros) e é visível a olho nu", assinalou o astrônomo Erick Petigura, da Universidade de Berkeley, na Califórnia.
A pesquisa, publicada nas Atas da Academia Nacional da Ciência, foi apresentada durante a conferência sobre o Kepler em Moffett Field, Califórnia.
"Estes resultados permitem pensar que planetas como a Terra são relativamente frequentes em toda Via Láctea", destacou Andrew Howard, astrônomo do instituto de Astronomia do Avaí e coautor do estudo.
Baseados nos três primeiros anos de dados obtidos por Kepler, os pesquisadores detectaram 3.538 potenciais exoplanetas, dos quais 833 foram confirmados. Entre estes, 647 são do tamanho da Terra e 104 se encontram na distância do Sol habitável, e 10 são rochosos como a Terra, disse Jason Rowe, do instituto SETI, durante a coletiva.
Buscar sinais de vida
O fato de um planeta com massa comparável a da Terra se encontrar em uma zona onde poderia ser habitável não o faz, por si só, propício à vida, observaram os cientistas.
"Alguns poderiam, por exemplo, ter atmosferas muito densas, o que tornaria as temperaturas na superfície muito elevadas para organismos vivos", explicou Geoffrey Marcy. "Na realidade, desconhecemos a variedade dos tipos de planetas e as características sob as quais poderiam haver vida".
"A abundância de planetas como a Terra, em órbita de estrelas relativamente próximas, simplificará as futuras missões da Nasa para estudá-los detalhadamente", destacou Andrew Howard.
Segundo Natalie Batalha, cientista da missão Kepler, "dentro de 50 anos seremos capazes de observar as características da atmosfera destes exoplanetas e o objetivo seguinte será obter imagens de boa qualidade de sua superfície, ver a topografia e buscar sinais de vida".
A missão Kepler, lançada em 2009, se ocupa da busca de planetas fora do sistema solar que podem orbitar a uma distância de suas estrelas que permita a existência de vida.
"Temos muitas missões a considerar no futuro. Penso que algumas delas, que já estão impulsionando a tecnologia, poderiam ser postas em marcha por nossos filhos ou netos", disse Bill Borucki, um dos principais pesquisadores do Kepler. [Fonte: Yahoo]
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Pesquisa personalizada

Livro Gratuito em PDF - Baixe Agora!