Pesquisa Personalizada


Receba as atualizações de Astronomia Hoje por e-mail:

Ouça Temas da Bíblia Agora:

Estude a Palavra de Deus Agora!

Estude a Palavra de Deus Agora!
Cursos e Estudos Bíblicos Gratuítos

domingo, 22 de novembro de 2009

Astronautas do ônibus espacial Atlantis fazem segunda caminhada espacial


Estão programadas três sessões de trabalhos externos. Astroonauta da Atlantis faz reparos na Estação Espacial Internacional (ISS, na sigla em inglês) durante a segunda caminhada espacial da missão.

Os astronautas Mike Foreman e Randy Bresnik deram início neste sábado (21/11/2009) à segunda caminhada espacial de sua missão para instalar um adaptador no laboratório europeu "Columbus", na Estação Espacial Internacional (ISS, na sigla em inglês), além de uma antena adicional para radioamadores. Após passar a noite no compartimento "Quest", que prepara o sistema sanguíneo para prevenir problemas de descompressão com a saída do aparelho, os astronautas abriram a escotilha às 12h31 (horário de Brasília) para iniciar uma jornada de trabalho de seis horas. Para Bresnik será a primeira saída espacial, enquanto que para Foreman será a segunda nesta missão e a quinta em sua carreira, já que também participou da missão STS do ônibus espacial "Endeavour" em 2008.


Foreman vestiu um traje espacial com detalhes vermelhos para poder ser diferenciado de Bresnik e o especialista de missão Robert Satcher ficou encarregado de coordenar as atividades e as comunicações entre os astronautas e o centro de controle em Houston. Foreman e Bresnik também instalarão outra antena sobre a viga principal para melhorar a transmissão das câmaras de vídeo que os astronautas levam sobre o capacete. Além disso, reposicionarão um dispositivo que registra o potencial elétrico entorno da estação e instalarão um gancho para aderir carga à viga principal.

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

Nível de água descoberto na Lua enche 12 baldes, diz Nasa

A Nasa, agência espacial americana, confirmou nesta sexta-feira a existência de água congelada em uma cratera da Lua após a análise dos dados enviados pela sonda espacial LCROSS (Lunar Crater Observation and Sensing Satellite, em inglês), que se chocou com o satélite terrestre no último dia 9 de outubro. Segundo a agência, a quantidade do recurso natural encontrado no buraco, com profundidade de cerca de 20 m, é equivalente a 12 baldes de água.
Em comunicado, a agência espacial informou que a descoberta abre um novo capítulo na história que compreende a Lua. "Estamos descobrindo os mistérios do nosso vizinho mais próximo e, por consequência, do Sistema Solar", afirmou Michael Wargo, cientista-chefe da missão, na sede da Nasa, em Washington. "A lua abriga muitos segredos e a LCROSS acrescentou um novo ingrediente para nossa compreensão", disse.
Antes da colisão, a LCROSS lançou com sucesso um foguete sobre a cratera Cabeus A, que se encontra na região do pólo sul, na face oculta da Lua. O primeiro impacto do foguete vazio provocou uma coluna de poeira que subiu sobre o alto da cratera e foi seguido minutos depois pela sonda, que recolheu informação da esteira antes de cair.
Um porta-voz da Nasa explicou nesta sexta que "provavelmente a água está congelada e misturada a outras substâncias". "A água só foi vista após o impacto, o que indica que ela não estava disponível na superfície", disse. No entanto, o porta-voz afirmou que "ainda não é possível determinar que tipo de água é essa".
Segundo ele, o foco agora é em estudar as informações obtidas para atingir novas descobertas. "Agora temos que dar um passo para trás e pensar no que mais pode haver lá. A Lua é viva", acrescentou.
Os cientistas têm investigado há tempos a origem de quantidades significativas de hidrogênio que foram detectadas nos pólos lunares. De acordo com a agência, os dados coletados pela LCROSS podem indicar ainda uma quantidade de água maior do que se suspeitava anteriormente.
Se a água realmente se formou ou permaneceu em depósitos em bilhões de anos, isto seria a chave para os especialistas entenderem a história e a evolução do Sistema Solar. Além disso, a água e outros compostos são recursos potenciais que poderiam sustentar o sonho humano de fixar uma base no solo lunar futuramente.
A sonda espacial partiu da Terra em junho passado, a bordo de um foguete Atlas V, junto à sonda LRO (Lunar Reconaissance Orbiter). Os dois artefatos integram a primeira missão do programa Constellation, que prevê a volta do homem à Lua a partir de 2020. (Fonte: Redação Terra).
Veja as fotos

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Pesquisa personalizada

Livro Gratuito em PDF - Baixe Agora!