Pesquisa Personalizada


Receba as atualizações de Astronomia Hoje por e-mail:

Ouça Temas da Bíblia Agora:

Estude a Palavra de Deus Agora!

Estude a Palavra de Deus Agora!
Cursos e Estudos Bíblicos Gratuítos

quarta-feira, 16 de setembro de 2009

Cientistas apontam superfície rochosa em "super-Terra"

Dados detalhados sobre o menor planeta já encontrado fora do nosso sistema solar sugerem que se trata de uma "super-Terra" com superfície rochosa, muito parecida com a nossa, disseram astrônomos europeus nesta quarta-feira. O chamado exoplaneta, cuja descoberta foi anunciada em fevereiro, tem cinco vezes a massa da Terra, o que, combinado com seu raio, sugere que tenha uma superfície sólida e uma densidade semelhante ao do nosso planeta.

"Isso é ciência no que ela tem de mais excitante e incrível", disse o astrônomo suíço Didier Queloz, chefe da equipe que fez as observações.

Cerca de 330 exoplanetas já foram achados orbitando outras estrelas além do Sol. A maioria são gigantes gasosos com características semelhantes a Netuno, que tem 17 vezes a massa da Terra.

Mas o planeta citado no estudo de quarta-feira, chamado CoRoT-7b - é diferente. Ele completa uma órbita a cada 20 horas, a uma distância de apenas 2,5 milhões de quilômetros da sua estrela. Sua temperatura oscila entre 1.000C e 1.500C, o que significa que não pode abrigar vida. Seu raio é cerca de 80 por cento maior que o da Terra.

Em artigo na revista Astronomy and Astrophysics, os cientistas disseram que suas conclusões colocam o CoRoT-7b na categoria das "super-Terras". Cerca de 12 delas já foram localizadas, mas é a primeira vez que se mensura com relativa precisão a densidade e a massa de um exoplaneta tão pequeno, disseram eles.

Para fazer essas medições, eles usaram um dispositivo chamado "procurador de planetas por velocidade radial de alta precisão" (Harps, na sigla em inglês), que é um espectrógrafo ligado ao telescópio do Observatório Europeu Meridional, em La Silla, no Chile.

De acordo com os cientistas, esse é "o melhor dispositivo caçador de exoplanetas no mundo." "Embora o Harps seja certamente imbatível quando se trata de detectar exoplanetas pequenos, as medições do CoRoT-7b se mostraram tão exigentes que tivemos de reunir 70 horas de observações," disse François Bouchy, outro integrante da equipe europeia de astrônomos.

Artiz Hatzes, que também faz parte da equipe, disse que o trabalho representou um "tour de force" das medições astronômicas. (Fonte: Yahoo Notícias)

segunda-feira, 14 de setembro de 2009

Hubble revela maravilhas cósmicas

Foto: AFP

O telescópio Hubble, totalmente modernizado, mostrou uma série de imagens de maravilhas cósmicas com incrível nitidez, incluindo uma "borboleta" celestial e um "pilar da criação".

As 10 imagens foram as primeiras capturadas do espaço profundo obtidas pelo Hubble desde que sofreu reparos na missão realizada em maio passado, que instalou uma nova câmera e na qual outros instrumentos científicos foram reparados.

A foto com a forma de borboleta mostra uma nebulosa - nuvem de poeira estrelar e gás- criada pelos restos de uma estrela agonizante que, em algum momento, teve cinco vezes a massa do Sol.

A Nebulosa Borboleta ou as asas da "Bug Nebula" são na realidade o que a Nasa chama "caldeiras de gás" aquecidas a mais de (20.000 graus Celsius) que se deslocam pelo espaço a mais de 965.600 km/h.

"Isso marca um novo começo para o Hubble", ressaltou Ed Weiler, diretor associado da Agência Espacial Americana e responsável pelas missões científicas.

O telescópio, colocado em órbita em 1990, "foi totalmente modernizado e agora está mais poderoso do que nunca, com novos equipamentos que o permitirão se manter em operação durante a próxima década", indicou em um comunicado.

Os novos instrumentos permitem ao Hubble pesquisar o universo em uma extensa gama do espectro luminoso, que vai dos raios ultravioletas aos infravermelhos.

O telescópio Hubble, totalmente modernizado, mostrou uma série de imagens de maravilhas cósmicas com incrível nitidez, incluindo uma "borboleta" celestial e um "pilar da criação". (Fonte: Yahoo Notícias)

Veja as fotos no site da NASA - clique aqui

quarta-feira, 2 de setembro de 2009

NASA fotografa olho no espaço



NASA/JPL-Caltech/The SINGS Team (SSC/Caltech)
Galáxia NGC 1097: buraco negro cercado de estrelas é fotografado por teléscópio espacial

A imagem capturada pela agência espacial americana impressiona por sua semelhança a um grande olho estelar.

Trata-se, na verdade, de uma galáxia localizada a 50 milhões de anos luz da Terra. Sua forma espiral é como a da nossa Via Láctea, e o “olho” ao centro é, na verdade, um gigantesco buraco negro cercado por um anel e longos braços de estrelas.

Nomeada de NGC 1097, a galáxia foi fotografada pelo telescópio espacial Spitzer. Na imagem, feita em infravermelho, a luz com menor comprimento de onda é capturada em azul, enquanto as mais longas aparecem vermelhas. Os braços em espiral da galáxia e os raios agitados vistos entre eles, todos na cor vermelha, mostram poeira aquecida pelo nascimento de novas estrelas. Populações mais antigas de estrelas espalhadas pela galáxia são azuis.

Segundo a NASA, o anel em volta do centro está borbulhando com a formação de novas estrelas, a uma taxa bastante alta. Se comparado ao buraco negro localizado no meio da Via Láctea, que possui a massa de alguns milhares de sóis, este é gigantesco. Com cerca de 100 milhões de vezes a massa do nosso Sol, ele se alimenta de gás e poeira. Algumas teorias afirmam que ele pode se acalmar e eventualmente entrar em um estado mais dormente, como acontece com o buraco negro da nossa galáxia.

O ponto azul de destaque à esquerda, que parece ter se encaixado entre os longos braços vermelhos, é uma galáxia companheira, que tanto pode ter “cavado” um espaço ali no meio, como pode ter se alinhado com a área livre deixada entre os braços. Os outros pontos na imagem são estrelas próximas na nossa galáxia ou imagens de galáxias distantes. (Fonte: Info Abril)

Sai imagem da nebulosa Olho de Gato

NASA/UIUC/Y.Chu et al., Optical: NASA/HST
Nebulosa Olho de Gato, a 3 000 anos-luz de distância

Dois centros de observação da NASA combinaram dados para criar esta imagem da nebulosa Olho de Gato, localizada a 3 000 anos-luz da Terra.

A imagem é resultado da junção de informações do Observatório de Raio-X Chandra e do Telescópio Espacial Hubble. A intensidade do brilho da cor alaranjada indica a emissão de raios-X: a quantidade emitida pela estrela central surpreendeu os astrônomos: é a primeira vez que se observa essa intensidade vinda do astro central de uma nebulosa planetária.

Apesar do nome, as “nebulosas planetárias” não possuem nenhuma relação com planetas. Elas se formam quando as reações no núcleo de uma estrela não conseguem mais segurar sua estrutura, o que força as camadas externas para fora. Justamente por estar morrendo, a nebulosa Olho de Gato libera gás e dá este efeito à foto. (Fonte: Info Abril.com)

Uma galáxia similar à Via Láctea


Em uma galáxia não muito distante, astrônomos encontraram semelhanças com a nossa Via Láctea.(Foto: ESO)

O European Southern Observatory (ESO), observatório do sudoeste europeu, divulgou nova imagem da NGC 4945. A 13 milhões de anos-luz, ela parece ter características que a aproximam bastante da nossa galáxia.

Além da forma em espiral, ela possui braços brilhantes e uma região central em forma de barra, como a Via Láctea. Em seu centro, provavelmente um buraco negro de grande massa devora matéria e lança energia pelo espaço.

Localizada na constelação de Centaurus, a NGC 4945 é visível por meio de qualquer telescópio amador. A foto divulgada foi feita pelo observatório La Silla, no Chile, e, nela, a galáxia aparece com forma alongada. O efeito é causado pela perspectiva que temos da Terra, mas, na verdade, ela é um disco muito mais largo que espesso.

Com a aplicação de filtros especiais, que isolam a cor da luz emitida por gases aquecidos (como hidrogênio), o ESO pode localizar áreas de formação de estrelas, identificadas pelo grande contraste na galáxia. Outras observações indicam que a NGC 4945 possui, também, suas diferenças em relação à Via Láctea: seu centro é muito ativo, e emite muito mais energia que galáxias mais calmas.

O ESO é uma organização européia financiada por 14 países: Áustria, Bélgica, Dinamarca, França, Finlândia, Alemanha, Itália, Holanda, Portugal, Espanha, Suécia, Suíça e Reino Unido. (Fonte:Abril.com)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Pesquisa personalizada

Livro Gratuito em PDF - Baixe Agora!