Pesquisa Personalizada


Receba as atualizações de Astronomia Hoje por e-mail:

sexta-feira, 28 de agosto de 2015

Nasa descobre qual segredo que faria com que humanos pudesse viajar até Marte


A Nasa está muito próxima de chegar à chave para conseguir levar seres humanos para Marte. O segredo para o corpo humano aguentar o “tranco” da viagem está diretamente ligado à criogenia. Ou seja, os astronautas seriam “congelados” e hibernariam até o Planeta Vermelho.


O estudo promovido e financiado pela Nasa mostra que, se o corpo humano tiver sua temperatura baixada para 33ºC, pode entrar em estado de hibernação. Isso porque essa redução diminui também o funcionamento do nosso metabolismo e nossa frequência cardíaca.



Outros fatores também foram pensados pela Nasa. Para sobreviver, o indivíduo receberia uma alimentação intravenosa, que bombearia os nutrientes necessários em períodos pré-estabelecidos. Outros tubos drenariam a urina e controlariam outras substâncias do corpo humano.

O compartimento, que ficaria dentro de uma nave, teria espaço para seis seres humanos simultaneamente. Para ajudar no controle, braços robóticos funcionariam no local, mantendo principalmente a higiene e funcionamento dos tubos (veja na imagem abaixo).

Reprodução

O grande problema ainda não solucionado pela Nasa está no tempo de viagem. Enquanto seres humanos podem ficar neste estado de sonolência por apenas 14 dias, a viagem pode durar até nove meses. Se conseguir resolver esse ponto, a agência espacial estará extremamente próxima de enviar os primeiros seres humanos para Marte.[Fonte: Yahoo]

terça-feira, 11 de agosto de 2015

Universo se apaga lentamente, diz estudo científico


O Universo está morrendo pouco a pouco, segundo uma equipe internacional de cientistas, que concluiu que a energia produzida atualmente por 200.000 galáxias é duas vezes menor que há dois bilhões de anos.
Os pesquisadores realizaram as medições mais precisas de energia já realizadas até agora em uma ampla zona do espaço.
A energia produzida se dividiu em dois nos últimos dois bilhões de anos e não para de cair, concluíram.
"A partir de agora, o Universo está fadado ao declínio", explicou Simon Driver, membro do Centro Internacional de Pesquisas Radioastronômicas (ICRAR) da Austrália, que participou do projeto.
"O Universo se estirou no sofá, se cobriu com uma manta e se prepara para um sono eterno", acrescentou.
Os pesquisadores utilizaram sete dos telescópios mais potentes do mundo para observar durante oito anos galáxias em 21 longitudes de onda diferentes - como as infravermelhas ou as ultravioletas -, no âmbito do estudo Gama.
O estudo é fruto da colaboração de uma centena de cientistas de mais de 30 universidades australianas, europeias e americanas.
Boa parte da energia que circula no universo foi gerada depois do Big Bang, mas também há uma liberação constante de energia nova graças à fusão termonuclear das estrelas.
"Esta energia nova ou é absorvida pela poeira (...) ou viaja (pelo espaço) até que se choca em algo como uma estrela, um planeta (...)", afirmou Driver.
Os pesquisadores sabem há tempos que o ritmo de criação de estrelas no Universo está em declínio. Mas este estudo demonstra que a produção de energia diminui de forma similar nas diferentes longitudes de onda, ressalta Andrew Hopkins, do Observatório Astronômico Australiano.
Os pesquisadores esperam que os dados recolhidos também permitam melhorar a compreensão do processo de formação de galáxias. [Fonte: Yahoo]

quarta-feira, 5 de agosto de 2015

Nasa divulga foto inédita da Terra feita por satélite lançado em fevereiro

Foto da Terra foi feita por câmera 'Epic' (Earth Polychromatic Imaging Camera), do satélite DSCOVR (Deep Space Climate Observatory (Foto: Nasa/Divulgação)
A Nasa divulgou, nesta segunda-feira (20), uma imagem inédita da Terra feita pela câmera do satélite DSCOVR (Deep Space Climate Observatory, ou Observatório Climático do Espaço Profundo).

O satélite foi lançado em fevereiro e recentemente atingiu sua órbita planejada, a cerca de 1,6 milhão de km da Terra. Veja a imagem ampliada no site da Nasa. [Fonte: G1]

sexta-feira, 31 de julho de 2015

Como seria a cidade de Nova York se fosse transportada para outros planetas

O ilustrador Nickolay Lamm desenhou como ficaria a paisagem da cidade se ela tivesse sido construída na atmosfera de outros planetas do Sistema Solar. Os textos são da astrobióloga Marilyn Vogel.

Mercúrio


"Mercúrio é envolto por uma fina camada de gás — que mal dá para chamar de atmosfera. O vento solar retira de modo contínuo qualquer gás que possa ser capturado ou retido pela gravidade do planeta. A tênue atmosfera é feita primariamente de hidrogênio, tornando-a transparente para o escuro do espaço e o brilho do Sol. O vento solar interage com o campo magnético do planeta, lançando colunas de poeira e partículas carregadas para o topo da atmosfera. A superfície do planeta é perfurada pelo impacto de crateras e coberta por poeira vulcânica, parecida com a que existe na lua da Terra."

Vênus


"Por causa de sua grande atividade vulcânica, Vênus está envolto em uma atmosfera de CO2, com nuvens de ácido sulfúrico. Isso cria uma cobertura amarelada de ar quente e sulfuroso, que obscurece o horizonte de Nova York e o Sol. A paisagem é desprovida de água e coberta por crateras, lava, e poeira de enxofre, além de outras características criadas pelos vulcões do planeta."

Terra

Com as ilustrações, Nickolay Lamm quis demonstrar o quanto a vida depende de uma série de condições específicas encontradas somente no planeta Terra — e ausentes de qualquer outro lugar do Sistema Solar. O ilustrador questiona o que aconteceria se a cidade de Nova York fosse levada a qualquer outro planeta da região. E responde: "A vida como conhecemos deixaria de existir. Apesar de raramente pensarmos em nosso universo infinito, o fato de vivermos onde estamos é um milagre."
Marte
"Marte possui uma atmosfera bastante fina e fria, composta principalmente por CO2. A composição química da atmosfera resulta em propriedades oxidantes que convertem grandes quantidades de materiais metálicos em várias formas de ferrugem, o que fica evidente na paisagem da cidade. Fortes correntes na atmosfera também originam frequentes tempestades de areia, que cobrem grandes extensões do planeta e duram por meses. A paisagem de Nova York fica, portanto, envolta por poeira e enquadrada no ambiente vermelho de Marte."
Júpiter
"Jupiter é o maior dos planetas gasosos. Sua atmosfera é tão grande e densa que o hidrogênio e o hélio se tornam líquidos — e até mesmo metálicos — perto da base da atmosfera. A cerca de cem quilômetros acima dessa superfície líquida, o ar possui uma pressão similar à da Terra, mas com uma composição química capaz de enferrujar qualquer superfície metálica, incluindo a da Estátua da Liberdade. A paisagem é ilustrada como se estivesse nesse nível dos cem quilômetros, flutuando na atmosfera. Essa área do céu é formada por uma grande massa de hidrogênio gasoso. Nova York está localizada perto de grandes nuvens de água, amônia e gases do enxofre (as nuvens claras na parte inferior da imagem), que às vezes formam grandes tempestades. Por sobre a paisagem paira uma neblina amarela de hidrocarbonetos."
Saturno
"Saturno possui uma atmosfera similar à de Júpiter, contendo uma mistura de hidrogênio e hélio que se condensam na base da atmosfera. Nova York está ilustrada como se estivesse a cem quilômetros dessa superfície líquida, onde o hidrogênio se encontra em pressões semelhantes à da atmosfera terrestre e contem nuvens suaves, cores de creme, feitas de gelo de amônia, com ocasionais tempestades (como mostrado na parte inferior da imagem). Assim como Júpiter, os gases atmosféricos iriam dissolver de modo devagar qualquer superfíce metálica, como a que cobre a Estátua da Liberdade. Nuvens brancas de amônia e leves hidrocarbonetos flutuam por sobre a paisagem."

Urano

"Urano é um frio gigante gasoso que gira de modo perpendicular ao plano de sua órbita. Em certas latitudes, o planeta possui ventos muitos rápidos, causados pela aquecimento desproporcional de sua superfície. Esses ventos são mais velozes do que o furacão mais poderoso da Terra e seriam capazes de destruir diversas estruturas como a Estátua da Liberdade. A atmosfera é composta primariamente por hidrogênio e hélio, com nuvens ocasionais de metano e trechos de neblina de hidrocarbonetos (como as nuvens vistas acima da linha do horizonte). A atmosfera também contém uma fração considerável de metano, dando ao ar uma bela coloração marinha."

Netuno

"Netuno é o planeta mais externo do sistema solar e, por isso, o mais escuro. Assim como os outros gigantes gasosos, ele abriga ventos extremos que iriam destruir prédios e outras estruturas. A atmosfera consiste primariamente de hidrogênio e hélio, com traços de amônia e água, dando ao ambiente uma coloração azulada. Amônio e gelo de água flutuam como nuvens coloridas acima da paisagem urbana."[Fonte; Veja]

Como seria o céu se os planetas estivessem tão perto da Terra quanto a Lua?




Um animador conhecido apenas como Nick publicou em seu canal no YouTube, yeti dynamics, um vídeo que mostra como seria o céu se os outros planetas do Sistema Solar estivessem tão perto da Terra quanto a Lua.
No vídeo abaixo, os planetas Marte, Vênus, Netuno, Urano, Júpiter e Saturno aparecem no lugar da Lua. O criador explica que Mercúrio foi deixado de fora propositalmente, porque é apenas um pouco maior que a Lua, de forma que o efeito não seria muito perceptível. A lua Tétis passa na frente de Saturno durante o vídeo. Já Dione, outro satélite do mesmo planeta, estaria em rota de colisão com a Terra.
Na descrição do vídeo, Nick explica que, se essa simulação fosse real, a Terra se tornaria um satélite de Saturno, Júpiter, Urano e Netuno, que são planetas maiores. Como Vênus tem um tamanho parecido com o da Terra, os dois planetas orbitariam em torno de um ponto central.[Fonte: Veja]

Astrônomos europeus confirmam sistema planetário com três super-Terras


Astrônonomos europeus anunciaram  a descoberta de um sistema planetário com três super-Terras em órbita de uma estrela anã brilhante, sendo que um deles parece ser um planeta de rochas vulcânicas derretidas. O sistema está ao norte da Constelação Cassiopeia, tendo a forma de um M, a 21 anos-luz da Terra, adiantaram os investigadores da revista europeia Astronomy & Astrophysics.
O sistema parece constituído por um planeta gigante e três super-Terras, que orbitam em torno de uma estrela anã, apelidada de HD219134. As super-Terras foram assim designadas pelo fato de possuírem massa maior que a da Terra, mas, ainda assim, serem mais leves que os planetas gasosos Neptuno, Saturno e Júpiter. O planeta com a órbita mais curta, HD219134b, faz a órbita em três dias, tendo já sido observado, do ponto de vista da Terra, em trânsito ao redor da sua estrela.
As medições a partir do solo, feitas com o telescópio espacial Spitzer, da agência espacial norte-americana Nasa, mostraram que sua massa é 4,5 vezes mais alta e 1,6 mais larga do que a altura e largura da massa da Terra. "A sua densidade média é próxima da densidade da Terra, sugerindo uma composição semelhante. Está muito perto da estrela. A temperatura é de cerca de 700 graus Kelvin" (aproximadamente 427 graus Celsius), segundo comunicado de imprensa da Universidade de Genebra, onde trabalha a equipa de astrônomos responsáveis pela pesquisa. Portanto, não é uma zona habitável e não teria água necessária para a vida humana.
Contudo, o HD219134b é excitante para os estudiosos da área, por ser o planeta em trânsito mais próximo da Terra, proporcionando, desta forma, uma oportunidade rara para estudar mais aprofundadamente a sua composição e atmosfera contra o pano de fundo da sua estrela. "Esses sistemas são especialmente interessantes à medida em que permitem – através do estudo – a caracterização da atmosfera do planeta, a luz da estrela que atravessa a atmosfera," disse Udry, coautor do relatório da Universidade de Genebra.[Fonte: Terra]

sexta-feira, 24 de julho de 2015

6 razões pelas quais estamos perto de descobrir vida fora da Terra

Nesta quinta-feira (23/07/2015), a Nasa anunciou a descoberta de um planeta muito parecido com a Terra, na zona habitável de uma estrela muito parecida com o Sol. OKepler-452b, um pouco mais velho que a Terra e de órbita similar, teria condições de abrigar vida? Cientistas irão analisar o planeta em busca da resposta. 
Mas separamos aqui alguns dados que sugerem que estamos próximos de encontrar vida fora da Terra. Confira:
1. Sabemos que a vida pode existir no espaço
Cientistas da Nasa conseguiram reproduzir os elementos essenciais para a vida em pleno espaço - quer dizer, não no espaço, mas em um laboratório que simula as condições espaciais no Centro de Pesquisa Ames. Ou seja, você não precisa nem do planeta para ter condições de criar bases genéticas.
2. Devem existir inúmeros planetas habitáveis
Pense na Via Láctea. Nossa galáxia de 100 mil anos-luz de largura teria apenas um planeta habitável? Cientistas da Universidade da Califórnia - Berkeley, armados com dados obtidos pelo Observatório Kepler, estimam que existam 20 bilhões de planetas que orbitem estrelas em uma zona habitável comparável à da Terra com o Sol. E, lembrando, isso apenas na Via Láctea - sabemos que existem alguns bilhões de galáxias. Então o Kepler-452b seria apenas um entre muitos.
3. A vida na Terra começou mais cedo do que achávamos
Recentemente, cientistas descobriram que as primeiras formas de vida terrestres apareceram há 3,2 bilhões de anos - um bilhão de anos mais cedo do que achávamos. E qual é o impacto dessa diferença? Naquela época, a Terra não era um lugar tão bacana quanto era hoje - a atmosfera era cheia de elementos tóxicos, por exemplo. Se a vida se desenvolveu em condições tão adversas, ela poderia aparecer em cantos menos hospitaleiros do universo.
4. Existem formas de vida que sobrevivem em condições extremas aqui na Terra
Essa belezinha abaixo é um membro da família Liparidae, que vive nas Fossa das Marianas a 8 quilômetros abaixo do nível do mar. Qualquer outro peixe teria suas células esmagadas pela pressão, mas esse peixe aguenta. A 9,6 quilômetros de profundidade, foi encontrado um tipo de camarão albino. Um vírus de 30 mil anos foi extraído de uma geleira na Antártida. Tem aquela bactéria, que contém arsênio a abre a possibilidade que exista vida de outra forma que não a baseada em carbono. Então, sim, é possível que a vida exista em condições extremas em outros planetas.
  (Foto: reprodução)
5. Fungos amam o espaço
Musgos enviados ao espaço no casco da Estação Espacial Internacional voltaram intactos para a Terra depois de 18 meses. A Agência Espacial Europeia também resolveu lançar uma caixa cheia de líquen na órbita da Terra. Os bonitos voltaram depois de 14 dias expostos à radiação intensa, sem nenhum arranhão. Aliás, a vida é tão resistente no espaço que isso é um problema para a Nasa. Micróbios no interior da ISS se multiplicam tão rápido que a manutenção da estação precisa ser constante para que colônias não danifiquem as proteções da instalação.
6. Existe água no espaço
E bastante, pelo visto. Confira esse infográfico da Nasa que possui informações sobre os lugares em que a agência detectou a substância. [Fonte: Galileu]

Descoberto primeiro exoplaneta quase do tamanho da Terra na zona habitável de uma estrela igual ao Sol

CONCEPÇÃO ARTÍSTICA COMPARA TERRA COM O KEPLER 452B (FOTO: NASA/JPL-CALTECH/T. PYLE)

Os astrônomos estão chegando cada vez mais perto de achar uma segunda Terra no cosmos. Um mundo desses pode, um dia, se tornar o segundo lar da humanidade, ou se já abrigar vida, oferecer a valiosa oportunidade de estudá-la. Na semana passada, pesquisadores brasileiros anunciaram ter encontrado um gêmeo de Júpiter orbitando uma gêmea do Sol - teorias recentes sugerem que isso pode significar um Sistema Solar igual ao nosso; nesta quinta-feira (23), a NASA organizou uma coletiva de imprensa para divulgar a descoberta do primeiro exoplaneta com tamanho relativamente parecido com o da Terra orbitando uma estrela igual ao Sol em sua zona habitável, ou seja, onde a temperatura é amena o suficiente para permitir a presença de água líquida na superfície. O astro deve ser detalhado em breve em um artigo no The Astronomical Journal.
O Kepler-452b é o menor planeta já encontrado na zona habitável de uma estrela e é 1,5 bilhão de anos mais velho que a Terra: oportunidade substancial para a vida surgir
“No ano do vigésimo aniversário da descoberta que provou que outros sóis abrigam planetas, o explorador de exoplanetas Kepler descobriu um planeta e uma estrela que mais se assemelham à Terra e ao nosso Sol”, disse John Grunsfeld, administrador associado do Diretório de Missões Cientificas da NASA. Apesar de ter um diâmetro 60% maior que o da Terra, o Kepler-452b é o menor planeta já encontrado nessa região privilegiada.
Sua massa e composição ainda não foram determinadas, mas pesquisas prévias sugerem que mundos deste tamanho possuem boas chances de serem rochosos. Além do Kepler-452b, outra confirmação elevou para 1.030 o número de exoplanetas que conhecemos. Outros 11 possíveis mundos pequenos em zonas habitáveis foram acrescentados hoje à lista dos candidatos que ainda precisam ser confirmados - eles já chegam a 4.696.
O Kepler-452b, localizado a 1,4 mil anos-luz, na constelação do Cisne, possui semelhanças notáveis com a Terra. O ano lá dura 385 dias, o equivalente a uma órbita só 5% mais longa que a nossa; a distância até a estrela também é 5% maior, só que ela é 20% mais brilhante e tem um diâmetro 10% mais avantajado que o do Sol, mesmo tendo a mesma temperatura. Isso acaba compensando a diferença de distância. Mas o mais interessante é a idade da Kepler-452: ela tem 6 bilhões de anos, 1,5 bilhões a mais que o Sol.
“Nós podemos pensar no Kepler-452b como um primo mais velho e maior que a Terra, fornecendo uma oportunidade de entender e refletir a respeito de nosso ambiente em evolução”, explicou Jon Jenkins, líder de análise de dados da missão Kepler e da equipe que descobriu o exoplaneta. “É inspirador pensar que esse planeta passou 6 bilhões de anos na zona habitável de sua estrela; mais tempo que a Terra. Isso é uma oportunidade substancial para a vida surgir, caso todos os ingredientes e condições necessárias existam nesse planeta.”[Fonte: Galileu]

sexta-feira, 17 de julho de 2015

7 descobertas impressionantes sobre Plutão

Foto: Reprodução)

A sonda New Horizons já passou a 766 mil quilômetros de Plutão, o mais próximo que uma sonda da NASA já esteve do planeta.

Com a aproximação foi possível observar melhor a superfície do planeta e aprender mais coisas sobre ele.
Confira algumas das principais descobertas sobre Plutão obtidas com a ajuda do equipamento, que usa o processador do primeiro PlayStation:

1. Plutão tem montanhas de gelo

A imagem mais nítida já capturada do planeta permitiu que os cientistas observassem que há diversas montanhas de gelo com altura de mais de 3 quilômetros. A foto mostrou também uma mancha mais clara em formato de coração.

Os pesquisadores da NASA acreditam que as montanhas são feitas de gelo de água, com base na composição do restante do sistema solar. A superfície de Plutão também é extremamente gelada, medindo por volta de -387 graus Fahrenheit (cerca de -232ºC). É essa temperatura que permite a formação de superfícies de gelo tão altas.

2. O planeta não se parece em nada com qualquer outra coisa no sistema solar
Plutão é único. Os cientistas que trabalham com a New Horizons não conseguiram comparar as características de aparência geral e superfície do planeta com nada encontrado no sistema solar. Antes, a ideia era de que que ele se parecesse com a lua Triton de Netuno, mas a aproximação acomprovou que a comparação não é correta.

"Triton não tem esse tipo de terreno acidentado", afirmou um dos responsáveis pela missão. "Ela tem uma grande quantidade de materiais estranhos, mas não se parece em nada com isso. Há algo muito diferente sobre geologia plutoniana".

3. É maior do que se acreditava
Dados da nave espacial mostram que Plutão é maior do que o estimado, se classificando como o maior objeto conhecido no Cinturão de Kuiper - cinturão de asteroides maciços que circunda o sistema solar.

Uma medição a partir da New Horizons mostra que o planeta mede aproximadamente 1473 milhas (cerca de 2.370 km) de diâmetro.

4. Plutão tem poucas crateras
Antes de chegar a Plutão, muitos pesquisadores esperavam encontrar um mundo repleto de crateras. No entanto, a superfície é muito mais suave - e, portanto, mais jovem - do que o previsto. A estimativa é de que as montanhas de gelo do planeta tenham apenas 100 milhões de anos, algo considerado pouco diante dos 4,5 bilhões de anos do sistema solar.

É possível que o planeta anão abrigue um oceano subterrâneo ou até mesmo vulcões de gelo, o que poderia ajudar a suavizar a superfície. No entanto, os pesquisadores afirmam que ainda não há informações suficientes para determinar isso.

5. Pode nevar em Plutão
Os cientistas sabiam há algum tempo que Plutão tem uma atmosfera rica em nitrogênio, mas descobriram que pode realmente nevar nitrogênio na superfície do planeta anão. O diretor de ciências planetárias da NASA Jim Green explicou que a formação em forma de coração é provavelmente feita de nitrogênio, metano, monóxido de carbono ou algum outro tipo de neve que cai na superfície.

6. Ele (provavelmente) não tem outras luas
Os responsáveis pela missão esperavam encontrar pelo menos mais uma lua orbitando Plutão, mas a sonda não encontrou nenhum indício de outras além das cinco já catalogadas: Caronte, Nix, Hidra, Cérbero e Estinge.

7. A maior lua de Plutão ainda pode ser geologicamente ativa
Caronte, a maior lua do planeta, parece ser jovem. Imagens de alta resolução do satélite mostram uma superfície suave, o que indica que ele pode ter sido geologicamente ativo há pouco tempo. Nas fotos é possível ainda observar uma grande depressão que mede entre 6 e 9 quilômetros.[Fonte: Olhar Digital]

MAIS:
Depois de nove anos e 4,8 bilhões de quilômetros percorridos, a Sonda New Horizons realizou hoje o registro fotográfico mais nítido existente do planeta Plutão, a cerca de 766 mil quilômetros de distância – a mais próxima já alcançada.  A foto foi postada no Instagram da NASA, a agência espacial americana. Confira abaixo.



Com o ‘Eyes on the Solar System’, um aplicativo para Windows e Mac, os usuários podem acompanhar diversas informações sobre a expedição e ver em tempo real como a sonda está sendo operada. Vale lembrar que é uma simulação e que o app não funciona como um serviço de streaming.

Na imagem, capturada 16 horas antes da sonda se aproximar ao máximo possível do planeta, é possível ver a mancha mais clara em formato de “coração”. A NASA também divulgou um GIF explicando a viagem e prometeu postar mais fotos em HD em seu site.[Fonte: Olhar Digital]

terça-feira, 14 de julho de 2015

Cientistas descobrem vestígios recentes de água em Marte



A hora que todo mundo espera está chegando: após algumas pesquisas, um grupo de cientistas encontrou vestígios recentes de água em Marte. O estudo foi publicado pela revista Nature Communications.

A descoberta foi realizada através de uma câmera da Nasa e ocorreu em Istok, uma cratera de buracos com menos de um milhão de anos. Por conta do tempo em questão, a conclusão de que os rastros de água são “recentes”.

Os cientistas estudavam a disposição dos barrancos da cratera para compará-los com encostas terrestres e viram fluxos de detritos que teriam tido entre 20 a 60% de água, fenômeno que ocorre, por exemplo, no deserto do Atacama.

Após a importante descoberta, cientistas esperam agora para saber se o fluxo é uma regra ou exceção. A possibilidade de existir vida em Marte, indicam estudiosos, é diretamente proporcional à existência de água por lá.[Fonte: Yahoo]

Astrônomos descobrem sistema solar com cinco sóis


Reprodução


Se com um Sol já tem dias que a gente simplesmente não consegue viver no calor, imagina se tivéssemos cinco? Pois essa a situação de um novo sistema solar encontrado na constelação de Ursa Maior. O grupo é inédito por sua formação: duas estrelas binárias e um dita simples.

As pares de binárias fazem uma órbita em torno do mesmo centro de gravidade, mas estão bem distantes umas das outras — nada menos do que 21 bilhões de quilômetros. Para se ter noção de como esse sistema é vasto, a distância entre o nosso Sol e Plutão é de 7 bilhões de quilômetros.

“Trata-se de um sistema verdadeiramente exótico. Em principio, não há razão para que ele não contenha planetas. Habitantes desses plantes teriam um céu capaz de botar produtores de Hollywood no chinelo, eles poderiam ter nada menos do que cinco sóis diferentes brilhando ao mesmo tempo no céu”, explica Marcus Lohr, um dos astrônomos responsáveis pela descoberta.

O objetivo dos especialistas agora é que a descoberta seja aprofundada. Encontrar planetas seria um passo e tanto, mas de difícil execução. E apesar do ânimo pelo novo e exótico sistema solar, Lohr informa que essa não é a primeira vez que uma formação dessas é vista. O telescópio Kepler, da Nasa, já descobriu outro grupo de cinco estrelas.[Fonte: Yahoo]

terça-feira, 7 de julho de 2015

Assista, em oito minutos, a trajetória de 11 anos da sonda Opportunity em Marte

Em 2004, a Nasa pousou a sonda Opportunity em Marte. Inicialmente, ela deveria funcionar por apenas 90 dias, mas o robozinho já está há 11 anos rodando pelo planeta vermelho. E, durante todo esse tempo, ele percorreu a incrível distância de ... 42,1 quilômetros.
Sim, o Opportunity demorou mais de uma década para completar a mesma distância de uma maratona em Marte. Para celebrar a marca completada em abril, a Nasa lançou um vídeo em time-lapse dessa jornada, que reduz os últimos 11 anos da sonda em apenas 8 minutos.
(O recorde mundial da maratona, completada por humanos, é do queniano Dennis Kimetto: o atleta precisou de 2 horas e 2 minutos para completar a maratona de Berlim, em 2014)
As imagens do lado esquerdo do vídeo foram registradas da câmera que monitora eventuais perigos externos ao robô, a chamada "hazcam", e um mapa na direita mostra o percurso da Opportunity pela superfície marciana. 
Os sons não são reais, mas sim uma interpretação artificial das medidas de vibração registradas pela sonda. Barulhos suaves representam um terreno plano, enquanto barulhos mais altos indicam que o robô está em uma região acidentada de Marte.[Fonte: info.abril.com.br]
Assista ao vídeo:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Pesquisa personalizada