Pesquisa Personalizada


Receba as atualizações de Astronomia Hoje por e-mail:

Ouça Temas da Bíblia Agora:

Estude a Palavra de Deus Agora!

Estude a Palavra de Deus Agora!
Cursos e Estudos Bíblicos Gratuítos

quinta-feira, 4 de agosto de 2011

Terra pode ter tido duas luas há bilhões de anos...

Diferença na superfície dos lados escuro e claro da Lua intriga cientistas (Thinkstock)
Bilhões de anos atrás, a Terra pode ter tido duas luas em sua órbita. É o que dizem pesquisadores da Universidade da Califórnia em Santa Cruz, nos Estados Unidos, em artigo publicado na revista Nature. De acordo com eles, durante a formação do Sistema Solar, um segundo satélite, menor, pode ter sido incorporado à Lua em uma colisão ocorrida a baixa velocidade. A hipótese explicaria a diferença encontrada nos relevos atuais das duas faces do satélite.
A face clara da Lua, que está voltada para a Terra, é uma superfície relativamente suave e plana. Já o lado escuro do satélite, que não pode ser avistado da Terra, tem montanhas que chegam a 3.000 metros de altura e crateras profundas. A diferença tem intrigado cientistas há tempos. Várias teorias foram levantadas para explicar a diferença, como o bombardeio assimétrico de asteroides e cometas e a deformação desigual resultante da própria rotação do satélite.
Pela hipóteste de Martin Jutzi e Erik Asphaug, responsáveis pelo trabalho publicado na Nature, duas luas foram formadas com o material ejetado quando um protoplaneta do tamanho de Marte colidiu com a Terra. À medida que o Sistema Solar evoluiu para sua configuração atual, uma destas luas, com cerca de um terço do diâmetro da que vemos hoje, pode ter ficado suspensa entre as atrações gravitacionais da Terra e do satélite maior por dezenas de milhões de anos. Finalmente, o satélite menor passou a dividir a órbita com a Lua, até que se encontraram e se uniram.
Para chegar a estas conclusões, os pesquisadores simularam no computador o possível impacto entre a Lua e um satélite menor. A partir disso, conseguiram avaliar a evolução e distribuição dos materiais no Sistema Solar. Em uma velocidade baixa, a colisão entre luas não formaria uma cratera gigante nem induziria a dispersão do material. Em vez disso, uma nova camada espessa e sólida seria formada na superfície da Lua - como sua atual face escura. Este cenário também ajudaria a explicar a presença de certos minerais neste lado do satélite.
Provas - Em um comentário também publicado na Nature, Maria Zuber, pesquisadora do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), ressalva que, por enquanto, trata-se de uma hipótese. "O estudo demonstra plausibilidade, não provas", diz. Maria lembra que as origens das montanhas da face escura do satélite têm sido "um tópico de especulação desde as primeiras medições globais sobre a forma da Lua".
A nova teoria poderá ser confirmada ou contestada por dados que devem ser disponibilizados no ano que vem pela missão Lunar Reconnaissance Orbiter, da Nasa, bem como pelo mapeamento gravitacional de alta resolução a ser feito pela missão Grail (Gravity Recovery and Interior Laboratory, na sigla em inglês). [Fonte: Veja.com]

Neste diagrama elaborado pelos investigadores Martin Jutzi e Erik Asphaug, da Universidade da Califórnia, é simulada a colisão da lua mais pequena com a sua "irmã mais velha"
Martin Jutzi e Erik Asphaug/AP

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Pesquisa personalizada

Livro Gratuito em PDF - Baixe Agora!